OMS Divulga mitos e verdades sobre COVID-19

OMS Divulga mitos e verdades sobre COVID-19

Fatos sobre a COVID-19

Estes fatos são da Organização Mundial da Saúde. Eles corrigem rumores comuns e inverídicos sobre o coronavírus (COVID-19).

As vacinas são rigorosamente testadas quanto à segurança antes de serem aprovadas
As vacinas são submetidas a inúmeros experimentos antes de serem introduzidas em um país. Médicos e cientistas especializados seguem rigorosos padrões internacionais ao decidirem se aprovam ou não uma vacina. Assim como ocorre com outros medicamentos, as vacinas podem causar efeitos colaterais que normalmente são secundários e temporários. Efeitos colaterais mais sérios são extremamente raros. É muito mais provável que uma pessoa seja gravemente afetada pela doença do que pela respectiva vacina.
Fonte: Organização Mundial da Saúde

Os experimentos de vacina envolvem uma grande variedade de voluntários
Voluntários se apresentam para serem vacinados e testados em estudos clínicos. Os voluntários devem ser de diversas localidades, origens raciais e étnicas, gêneros e idades. Os testes também devem incluir pessoas que tenham problemas de saúde subjacentes que aumentam o risco delas em relação à doença. Essas medidas ajudam a garantir que a vacina seja segura e eficaz para todos.
Fonte: Organização Mundial da Saúde

Os experimentos da vacina contra a COVID-19 seguem padrões éticos e de segurança
As vacinas contra a COVID-19, como qualquer vacina, devem seguir o protocolo de desenvolvimento padrão para testar sua eficácia e identificar efeitos colaterais comuns ou problemas de segurança. Os testes são realizados em vários estágios com dezenas de milhares de voluntários.
Fonte: Organização Mundial da Saúde
Proteja-se e a outras pessoas
Ajude a conter a disseminação do coronavírus (COVID-19) seguindo dicas de prevenção comuns.
Saiba mais

Você não conseguirá criar uma vacina contra a COVID-19 em casa
O desenvolvimento da vacina é um processo técnico complexo que não pode ser realizado em casa. O processo envolve testes minuciosos em laboratório, seguidos de experimentos clínicos com milhares de voluntários. As vacinas precisam ser aprovadas pelos médicos e cientistas especializados de cada país.
Fonte: Organização Mundial da Saúde

Quando usadas corretamente, as máscaras de uso médico não farão você respirar uma quantidade insuficiente de oxigênio ou uma quantidade excessiva de dióxido de carbono
As máscaras de uso médico (também conhecidas como máscaras cirúrgicas) são máscaras lisas ou com pregas que se prendem ao rosto com tiras ou elásticos. As máscaras podem ser desconfortáveis se usadas por um período prolongado, mas não farão você respirar uma quantidade insuficiente de oxigênio ou uma quantidade excessiva de dióxido de carbono.
Fonte: Organização Mundial da Saúde

Beber álcool não é eficaz para a prevenção ou a cura da COVID-19
Beber álcool não protege contra a COVID-19. O consumo excessivo de bebidas alcoólicas pode aumentar o risco de outros problemas de saúde.
Fonte: Organização Mundial da Saúde

Ingerir água sanitária ou desinfetante é perigoso e não é eficaz na prevenção da COVID-19
Água sanitária e outros desinfetantes são produtos tóxicos. Não pulverize, beba ou use esses produtos no corpo em nenhuma circunstância. Eles só devem ser usados para desinfetar cuidadosamente superfícies de objetos.
Fonte: Organização Mundial da Saúde

Beber metanol ou etanol é perigoso e não é eficaz para a prevenção ou a cura da COVID-19
O metanol e o etanol são substâncias tóxicas. Ingeri-los não mata o vírus da COVID-19 em seu corpo. O metanol e o etanol podem provocar lesões graves ou morte. Eles podem ser encontrados em produtos de limpeza usados para desinfecção de superfícies.
Fonte: Organização Mundial da Saúde

Prender a respiração não é um teste para COVID-19
Conseguir prender a respiração por 10 segundos ou mais sem tossir ou sentir desconforto não significa que você está livre da COVID-19 ou de qualquer outra doença pulmonar. A melhor maneira de confirmar se você está com o vírus da COVID-19 é por meio de um exame clínico.
Fonte: Organização Mundial da Saúde

Comer alho não é eficaz para a prevenção ou a cura da COVID-19
O alho é um alimento saudável que pode matar alguns micróbios, mas não há comprovação de que ofereça proteção contra COVID-19. A melhor maneira de se proteger da COVID-19 é manter uma distância segura de outras pessoas e lavar as mãos de forma adequada e frequente.
Fonte: Organização Mundial da Saúde

Jovens podem contrair COVID-19
Pessoas de todas as idades podem ser infectadas pelo vírus da COVID-19. Todos, independentemente da idade, devem praticar medidas de prevenção, como lavar as mãos regularmente e manter uma distância segura de outras pessoas.
Fonte: Organização Mundial da Saúde

Calor e umidade não impedem a disseminação da COVID-19
Você pode contrair a COVID-19 independentemente de o clima estar quente e o dia estar ensolarado. Países de clima quente têm relatado a ocorrência de casos de COVID-19. A melhor maneira de se proteger da COVID-19 é manter uma distância segura de outras pessoas e lavar as mãos de forma adequada e frequente.
Fonte: Organização Mundial da Saúde

Comer pimenta não é eficaz para a cura ou a prevenção da COVID-19
Pode ser gostoso comer pimenta, mas ela não serve para cura ou prevenção da COVID-19. A melhor maneira de se proteger da COVID-19 é manter uma distância segura de outras pessoas e lavar as mãos de forma adequada e frequente.
Fonte: Organização Mundial da Saúde

Antibióticos não servem para tratamento ou prevenção da COVID-19
Antibióticos são eficazes apenas contra bactérias, não contra vírus. A COVID-19 é causada por um vírus. Pacientes com COVID-19 podem receber antibióticos para tratar infecções bacterianas concomitantes.
Fonte: Organização Mundial da Saúde

Suplementos vitamínicos e minerais não são eficazes para a cura da COVID-19
Zinco, vitaminas D, C e outros suplementos não são eficazes para a cura da COVID-19, embora sejam importantes para o bom funcionamento do sistema imunológico e da saúde geral.
Fonte: Organização Mundial da Saúde

Banhos quentes não ajudam na prevenção da COVID-19
Qualquer que seja a temperatura do seu chuveiro ou banheira, sua temperatura corporal normal permanece a mesma. Tomar banho com água extremamente quente pode provocar queimaduras. A melhor maneira de se proteger da COVID-19 é manter uma distância segura de outras pessoas e lavar as mãos de forma adequada e frequente.
Fonte: Organização Mundial da Saúde

Frio e neve não ajudam na prevenção da COVID-19
O clima frio não ajuda na cura, tratamento ou prevenção da disseminação da COVID-19. A melhor maneira de se proteger da COVID-19 é manter uma distância segura de outras pessoas e lavar as mãos de forma adequada e frequente.
Fonte: Organização Mundial da Saúde

Vacinas contra pneumonia não são eficazes na prevenção da COVID-19
O vírus da COVID-19 é tão novo e diferente que precisa de sua própria vacina. No entanto, as vacinas existentes são altamente recomendadas para você se proteger de uma pneumonia.
Fonte: Organização Mundial da Saúde

Secadores de mãos não ajudam na prevenção da COVID-19
Secadores de mãos não matam o coronavírus, o vírus causador da COVID-19. Para se proteger contra a COVID-19, lave frequentemente as mãos com água e sabão ou desinfete-as com álcool em gel. Seque bem as mãos com toalhas de papel ou um secador de ar quente.
Fonte: Organização Mundial da Saúde

Lavar o nariz regularmente com uma solução salina não ajuda na prevenção da COVID-19
Não há comprovação de que lavagens regulares com solução salina ofereçam proteção contra COVID-19 ou outras infecções respiratórias. Existem evidências limitadas de que isso pode contribuir para uma recuperação mais rápida de um resfriado.
Fonte: Organização Mundial da Saúde

Lâmpadas ultravioleta não devem ser usadas para prevenção ou cura da COVID-19
Lâmpadas UV não devem ser usadas para desinfetar a pele ou as mãos. Elas podem provocar irritação na pele e lesões nos olhos. Lavar as mãos com água e sabão ou desinfetá-las com álcool em gel são as maneiras mais eficazes de eliminar o vírus da COVID-19.
Fonte: Organização Mundial da Saúde

A COVID-19 não é transmitida por picada de mosquito
Não há comprovação de que a COVID-19 possa ser transmitida por picada de mosquito. A transmissão da COVID-19 ocorre principalmente por meio de gotículas produzidas quando uma pessoa infectada tosse, espirra ou fala. A transmissão também poderá ocorrer se você tocar uma superfície infectada e depois levar a mão aos olhos, ao nariz ou à boca. Para se proteger, lave as mãos com frequência e desinfete superfícies de contato frequente em casa.
Fonte: Organização Mundial da Saúde

Moscas não transmitem a COVID-19
Não há comprovação de que a COVID-19 possa ser transmitida por moscas. A transmissão da COVID-19 ocorre principalmente por meio de gotículas produzidas quando uma pessoa infectada tosse, espirra ou fala. A transmissão também poderá ocorrer se você tocar uma superfície infectada e depois levar a mão aos olhos, ao nariz ou à boca. Para se proteger, lave as mãos com frequência e desinfete superfícies de contato frequente em casa.
Fonte: Organização Mundial da Saúde

Redes móveis 5G não transmitem a COVID-19
Os vírus, incluindo o que causa a COVID-19, não podem viajar por ondas de rádio ou redes móveis. A COVID-19 está se espalhando em muitos países que não possuem redes móveis 5G.
Fonte: Organização Mundial da Saúde

É muito improvável que os sapatos transmitam a COVID-19
A probabilidade de a COVID-19 ser transmitida pelos sapatos é muito baixa. Como uma medida extra de segurança, recomenda-se deixar os sapatos na entrada de casa, principalmente se há bebês ou crianças pequenas que brincam no chão. Isso impedirá o contato com sujeira ou resíduos das solas dos sapatos.
Fonte: Organização Mundial da Saúde

A COVID-19 é causada por um vírus, não por uma bactéria
O vírus que causa a COVID-19 pertence à família dos coronavírus. Antibióticos não são eficazes contra vírus. Algumas pessoas com COVID-19 também desenvolvem uma infecção bacteriana ao mesmo tempo. Nesse caso, o médico pode receitar antibióticos.
Fonte: Organização Mundial da Saúde

A maioria das pessoas se recupera da COVID-19
A maioria das pessoas que contraem a COVID-19 tem sintomas leves ou moderados e consegue se recuperar com assistência médica. Caso você tenha sintomas como tosse, febre ou dificuldade para respirar, busque assistência médica. Fale com um médico por telefone antes de se encaminhar para uma clínica ou hospital. Se tiver febre e morar em uma região com ocorrência de dengue ou malária, ligue para um médico imediatamente.
Fonte: Organização Mundial da Saúde

Medidores de temperatura detectam febre, não a COVID-19
Os medidores de temperatura podem detectar se uma pessoa está com febre, que pode ser causada pela COVID-19. No entanto, nem todos que contraem COVID-19 têm febre. Os medidores de temperatura também não são capazes de detectar pessoas que estão infectadas, mas que ainda não estão com febre. Isso ocorre porque leva de 2 a 10 dias para as pessoas infectadas com COVID-19 terem febre.
Fonte: Organização Mundial da Saúde

Idosos não são os únicos que estão em risco ao contrair COVID-19
Pessoas de todas as idades podem ser infectadas pelo vírus da COVID-19. Pessoas com 60 anos ou mais e portadores de doenças como asma, diabetes e doenças cardíacas têm maior risco de ficar gravemente doentes. Todos devem praticar medidas de prevenção, como lavar as mãos regularmente e manter uma distância segura de outras pessoas.
Fonte: Organização Mundial da Saúde

Não há comprovação de que a hidroxicloroquina seja eficaz para curar ou tratar a COVID-19
A hidroxicloroquina e a cloroquina são usadas como tratamentos para malária e outras doenças. Elas foram estudadas como possíveis tratamentos para a COVID-19, mas os dados atuais demonstram que não reduzem o número de mortes por COVID-19 ou ajudam as pessoas com doença moderada. A hidroxicloroquina e a cloroquina podem tratar a malária e as doenças autoimunes. No entanto, seu uso para outras doenças ou sem supervisão médica pode causar sérios efeitos colaterais e deve ser evitado.
Fonte: Organização Mundial da Saúde