Forças de Segurança realizam simulado integrado

Evento foi o maior exercício de preparação para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016

Diversas forças, agências e instituições treinaram  juntas, nesta sexta e sábado (15 e 16/7), no  maior exercício integrado de enfrentamento a ameaças externas promovido em terminais de transporte público para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. A ação teve início após uma informação da Inteligência sobre a ação de um fictício grupo terrorista na região de Gericinó, que foi neutralizada no mesmo dia por agentes do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) da Polícia Militar.

No dia seguinte, nova denúncia indicava que uma ação ocorreria na estação de trem de Deodoro da SuperVia, na Zona Oeste. Cerca de mil civis e militares de 20 instituições foram mobilizados. O exercício, em tempo real, teve o objetivo de  testar o planejamento e as ações de resposta em  um cenário crítico de ação terrorista. O simulacro acontece a 20 dias do início do grande evento esportivo e foi monitorado pelo Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), na Cidade Nova.

Simulado

 Uma explosão desencadeou a ação dos agentes em um dos trens da SuperVia, parado na plataforma de Deodoro, no sábado. Houve troca de tiros entre as forças de segurança e os terroristas. Um grupo de passageiros (figurantes) foi feito de refém. Negociações se esgotaram, houve invasão de uma das composições e a situação foi controlada. Houve socorro de reféns (figurantes), por equipes do Corpo de Bombeiros, e varredura para a verificação de outro artefato explosivo na parte interna dos vagões. O Esquadrão de Bombas da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), da Polícia Civil, foi acionado. Em um segundo momento, uma mochila suspeita foi encontrada sob os trilhos. O robô anti-bomba da Core foi usado para detoná-la sem colocar em risco outros agentes de segurança.  O treinamento contou com o uso de um helicóptero, que também fez a transmissão das imagens, em tempo real, para o Centro Integrado de Comando e Controle Regional, onde equipes operacionais acompanhavam o exercício.

Planejada e preparada há mais de seis meses, a ação testou capacidades como a coordenação das ações no terreno, tais como a neutralização da ameaça, o isolamento da estação e o atendimento às vítimas. Os órgãos envolvidos também puderam colocar em prática mais uma vez os protocolos elaborados. Na ocasião, todos os sistemas de Comando e Controle foram acionados garantindo a celeridade da ação.

Observadores de todas as agências envolvidas puderam acompanhar o trabalho de uma área exclusiva. O empenho dos profissionais para dar o máximo de realidade ao cenário impressionou os mais de 100 profissionais de imprensa presentes e teve  boa avaliação das autoridades.

– Consideramos o exercício muito positivo e uma oportunidade de capacitar nossas tropas, mantendo um nível alto de atuação de defesa de segurança pública e inteligência. Nossa resposta foi imediata. Nosso intuito foi medir e testar capacidades usando todos os meios disponíveis – afirmou o general Mauro Sinott Lopes, comandante do Comando Conjunto de Prevenção e Combate ao Terrorista (CCPCT), do Ministério da Defesa.

De acordo com Cristiano Sampaio, coordenador regional de segurança dos Jogos da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos, do Ministério da Justiça e Cidadania, o país está preparado para enfrentar ameaças terroristas.

– O Brasil hoje adota as melhores práticas de enfrentamento de ações terroristas. Promovemos diversas trocas de experiências com vários países. Hoje a experiência do mundo está sendo refletida aqui no Rio de Janeiro. Este é um exercício que já havia sido planejado, e o que podemos dizer é que com os recentes acontecimentos em Nice, na  França, ficamos ainda mais alertas – disse Sampaio.

Participaram do exercício o Coordenador Geral de Defesa de Área (Forças Armadas); a Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos, do Ministério da Justiça e Cidadania; a Agência Brasileira de Inteligência; a Polícia Federal; a Polícia Rodoviária Federal; a Força Nacional de Segurança Pública; a Casa Civil do Governo do Estado do Rio de Janeiro; a Secretaria de Estado de Segurança; a Secretaria de Estado de Saúde; a Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro; a Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro; o Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro; a Secretaria de Defesa Civil; o Centro de Operações Rio; a Secretaria Municipal de Saúde; a Companhia de Engenharia de Tráfego do Rio de Janeiro (CET-Rio); a Guarda Municipal do Rio de Janeiro (GMRJ).

Este é o quinto simulado realizado  nas estações de trem da SuperVia, em parceria com as forças de segurança.

– A SuperVia terá um papel fundamental no transporte do público durante os Jogos. Além do apoio às simulações com as forças públicas de segurança com foco em possíveis ameaças externas, teremos cerca de 1.500 funcionários mobilizados no atendimento ao passageiro nos trens e estações – destacou o diretor de operações da SuperVia, João Gouveia.

Primeira etapa: sexta-feira

 A primeira etapa do grande treinamento integrado aconteceu na manhã de ontem, quando o Bope realizou um exercício de simulação para desarticular uma ação de um suposto grupo terrorista em Gericinó. Após a checagem pelo setor de inteligência e acionamento do Gabinete de Gestão de Crise, no CICC, equipes do Comando de Operações Especiais foram convocadas e conseguiram controlar a ameaça, após o tiro preciso de um snype.

O coronel René Alonso, do Comando de Operações Especiais (COE), que mobilizou 30 agentes do Bope para atividade, além de dois cães do Batalhão de Ações com Cães (BAC), mostrou-se confiante na capacitação da equipe.

– O exercício permite testar a capacidade das equipes e o nível de integração.  Aqui hoje temos a oportunidade de treinar em tempo real uma simulação de ataque para que possamos analisar a melhor forma de atuação – afirmou o coronel.

Fotos: Paulo Vitor

Deixe uma resposta