Tradição e história no 43º Festival de Folias de Reis de Macuco

Tradição e história no 43º Festival de Folias de Reis de Macuco

Brancos, verdes, amarelos, vermelhos ou azuis. Pouco importa a profusão de cores dos uniformes, o que conta é a disseminação de devoção, tradição e cultura, que são repassadas de pai para filho, de geração em geração. Assim é aguardado o 43º Festival de Folias de Reis de Macuco, que acontece dias 30 e 31 de janeiro.
Segundo a diretora de Cultura, Vera Lúcia Tiberto, coordenadora do evento, são aguardadas aproximadamente 50 agremiações, oriundas de todas as regiões fluminenses e até de estados como Minas Gerais e Espírito Santo. O grande atrativo é a própria fama da festa, considerada uma das maiores e mais tradicionais do Estado do Rio de Janeiro.
Durante os festejos, é comum a troca de experiências entre os foliões, que observam atentamente estilos e novas tendências de batida, louvação e apresentação de palhaços, embora a tradição de algumas folias seja bastante preservada e os mais antigos avessos às introduções de novidades. A fim de manterem a condição amistosa, os representantes das folias trocam contatos visando futuros convites para eventos, como conta a organizadora. “É muito mais que um encontro, é uma verdadeira conferência, uma congregação. O estreitamento dos laços de amizade entre as agremiações sempre se faz presente e a integração é marcante”, relata Lucinha.
As Folias de Reis são uma manifestação cultural, religiosa e festiva, classificada no Brasil como folclore e praticada por adeptos do catolicismo no intuito de rememorar a atitude dos Três Reis Magos – Baltasar, Melquior e Gaspar – que partiram numa jornalod_jornalda à procura do Prometido Messias, o Menino Jesus Cristo, para prestar-lhe homenagens e dar-lhe presentes. Essa história é relatada na Bíblia, no Livro de São Mateus. Fixado o nascimento de Jesus Cristo em 25 de dezembro, adotou-se a data da visitação dos Três Reis Magos como sendo o dia 6 de janeiro.
Sem o palhaço, não há alegria. E os palhaços são personagens cercados de obrigações e regras. Eles devem permanecer fora das casas e presépios até o momento de sua apresentação e, por vezes, é perigoso tocar suas vestes ou máscara. O motivo de tanto cuidado com esses personagens misteriosos está nos significados a eles atribuídos. Algumas interpretações os relacionam com o diabo, com o rei Herodes ou seus soldados, que saíram em perseguição para matar o Menino Jesus. A brincadeira do palhaço é, no entanto, o momento potencial de descontração, bom humor e poesia.
O 43º Festival de Folias de Reis de Macuco terá a seguinte programação: Sábado, dia 30, às 19h30min, abertura oficial com missa celebrada pelo Padre Wanderson, da Paróquia de São João Batista. Logo após, apresentação das Folias de Reis por ordem de chegada no presépio montado no centro da cidade. Domingo, dia 31, às 08h, reinício das apresentações, dando continuidade ao 43º Festival de Folias de Reis de Macuco. Às 18h, grande cortejo pelas ruas do centro da cidade.

Deixe uma resposta