Lançamento do parlamento juvenil: 10ª edição traz novidades

Lançamento do parlamento juvenil: 10ª edição traz novidades

Foi lançada nesta sexta-feira (20/05) a 10ª edição do Parlamento Juvenil (PJ), projeto da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), em parceria com a Secretaria Estadual de Educação (Seeduc) e a Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude (Seelje). Em 2016, o programa terá novidades. Um concurso vai eleger uma bandeira para o projeto. Alunos dos ensinos fundamental e médio poderão enviar seus trabalhos. O vencedor será premiado com um notebook e sua escola, com três computadores. O segundo e o terceiro lugar levam, respectivamente, um smartphone e um tablet.

Outra novidade é uma cápsula do tempo. No encerramento da semana de atividades do Parlamento Juvenil, os jovens vão depositar seus desejos para a democracia brasileira que serão lidos somente no centenário do Palácio Tiradentes, em 2026. “A experiência de um parlamentar juvenil é para a vida toda. Esses jovens são multiplicadores de boas ideias e renovam nossas esperanças. No momento em que o país vive, especialmente, isso tem muito valor. É empolgante”, comemorou o coordenador do projeto, o deputado Wanderson Nogueira (PSol). As mudanças incluem também visitas a programas sociais e a ampliação da programação cultural.

O projeto
Com o objetivo de aproximar o jovem fluminense da política, o projeto proporciona a estudantes da rede estadual dos 92 municípios uma semana de atividades legislativas, como um verdadeiro deputado, além de palestras e programas culturais. As inscrições podem ser realizadas pelo site oficial de 23 de maio a 24 de junho. Os alunos eleitos aprenderão sobre a função de ser um parlamentar em oficinas de capacitação. De 20 a 26 de novembro, os jovens apresentam, debatem e votam os projetos de sua autoria no plenário da Alerj. Nos mesmos moldes de um órgão legislativo convencional, há ainda escolha de Mesa Diretora e Regimento Interno. No fim, os projetos selecionados são encaminhados para a apreciação do governador, podendo ou não virar lei.

Cada município do estado do Rio pode ser representado por um parlamentar. Exceto a capital do Estado, que contará com três representantes, e outros três municípios com maior número de candidatos inscritos válidos, que terão dois parlamentares cada. As eleições acontecem nas escolas estaduais, em dois turnos de votação, em julho. Estão aptos a participar do PJ alunos do 1º e 2º anos do ensino médio da rede pública estadual do Rio, com idade entre 14 e 17 anos. Estudantes do 8º ano em diante podem votar.

Histórico
Nos últimos cinco anos, 332 parlamentares juvenis foram eleitos. Albert Firmino, de Nova Iguaçu, participou da 1ª edição do Parlamento Juvenil, em 2003, e hoje milita na política e em movimentos sociais. “Foi uma oportunidade de mudar minha vida e me fazer olhar para o futuro. Guardarei na memória essa experiência para sempre. Sou líder comunitário e colaboro para melhorar a vida das pessoas no meu bairro e na minha cidade”, contou.

A parlamentar juvenil Thaís da Silva, 17 anos, esteve no PJ no ano passado e vive um novo contato com a política. “Conheci pessoas e aprendi demais no projeto. Venho de Japeri, onde não há muitas oportunidades para os jovens. Inclusive, participei, há algumas semanas, da mesa na solenidade pelo Dia da Baixada Fluminense”, afirmou Thaís.

Ocupações
Assistente técnico da Secretaria de Estado de Educação (Seeduc), Leonardo Lugão disse que a interação com a equipe organizadora do PJ é muito importante para que o projeto consiga alcançar as mais de 1200 escolas no estado. “Pedimos que os alunos do 3º ano não participassem porque eles perdem o vínculo com a escola e não conseguem multiplicar no dia a dia estudantil o aprendizado do projeto. Esse ponto foi acatado e inclusive entrou na resolução do projeto”, comentou o assistente, que disse que a secretaria está com boas expectativas para essa edição do PJ.

Wanderson Nogueira disse que, mesmo diante do cenário das ocupações das escolas pelos estudantes, o projeto seguirá o cronograma de atividades. Na resolução do PJ está previsto a abertura de eleição suplementar, caso seja necessária. “Ao fim do período de divulgação do projeto, vamos avaliar a situação e ver na necessidade de alterar o calendário”, disse.

Seminário
Ao fim do dia, os jovens assistiram ao seminário do professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Istvan Kasznar sobre política no Brasil e no estado do Rio. O professor apresentou a conjuntura histórica da política e explicou assuntos como a crise econômica nacional e estadual, conceito de democracia, pluripartidarismo, representação política e partidária.

O objetivo do seminário foi mostrar aos jovens onde e como ele pode atuar em para a melhoria do estado brasileiro, do estado do Rio e dos 92 municípios. “Eu procurei mostrar a importância da política participativa, da neutralidade ideológica, da capacidade de atuar a favor da população sem buscar interesses exclusivistas e sim criar a inclusão, econômica e social. Tudo com uma perspectiva ética também com a importância da técnica. Para resolver os problemas no ato de buscar as funções públicas, nós temos que legislar, mas antes, entender sobre o que se vai legislar”, explicou o professor, que deixou o material apresentado com a equipe do PJ para que sirva de base de estudo para os futuros parlamentares juvenis.

(Texto de Isabela Cabral e Camilla Pontes)

Deixe uma resposta